A moto do filme Top Gun: Kawasaki Ninja GPZ900R

COMPARTILHE

Em 1986, Tom Cruise encarnou um piloto de caça rebelde no sucesso Top Gun – Ases Indomáveis. Fazia o diabo voando em um F-14 para fazer parte da elite de pilotos da Marinha. Mas o que chamava a atenção dos amantes de duas rodas era o fato de,  quando com os pés no chão, voava baixo na primeiríssima Ninja da Kawasaki, a GPZ900R. A motocicleta era um marco em termos de tecnologia e não é preciso dizer que o filme a transformou em um ícone cultural e objeto de desejo pelo mundo afora.

A GPZ900R entrou em produção em 1984, depois de 6 longos anos sendo desenvolvida em segredo pela Kawasaki. Em função de todas suas características e construção, pode-se dizer que ela foi a avó das modernas esportivas que conhecemos hoje. Foi a primeira motocicleta com 16 válvulas (4 por cilindro) refrigerada à água e estava anos à frente das concorrentes. O motor de 908 cilindradas entregava 115 cavalos empurrando a vovó a velocidades acima dos 240Km/h. Na verdade, foi a primeira motocicleta de fábrica a atingir a marca de andar acima de 240. O motor era montado bastante baixo e fazia parte da estrutura do quadro contribuindo para a performance da moto.

A GPZ900R original

Também foi a primeira vez em que a fabricante adotou o nome Ninja, a princípio somente para o mercado americano, para gerar um certo apelo (os gringos são bastante suscetíveis a marketing barato). O sucesso foi tanto que o nome acabou sendo adotado para o mercado mundial.

No mesmo ano de lançamento, três GPZs participaram da famosa competição de Isle Of Man e duas delas faturaram primeiro e segundo lugares o que alavancou ainda mais a fama da motocicleta. Mas o que realmente tornou a moto uma das mais conhecidas e desejadas do mundo foi sua participação no filme Top Gun.

O segundo avião de Tom Cruise em Top Gun (versão descaracterizada e com as cores invertidas)

Os rumores dizem que a Paramount Pictures, estúdio responsável pela produção, tentou um acordo com a Kawasaki para conseguir duas motocas na faixa em troca de publicidade. Os japoneses não quiseram nem saber. Quer as motos? Compre! E a Paramount comprou, duas, cada uma pelo valor de 2.800 dólares.

A nota de compra do estúdio Paramount

O estúdio, talvez por vingança, descaracterizou as motos. Nada de siglas, marcas e nem “Ninja” aparecendo. Tiraram tudo e inverteram o esquema de cores. A moto original era preta e vermelha. O estúdio tratou de inverter as cores para o filme. Onde era preto ficou vermelho e vice-versa. Além disso, colocaram os indefectíveis adesivos em alusão a motivos de aviação militar no tanque. Os figurinistas até arranharam a moto em alguns pontos, com arame, para deixá-la com cara de “usada”.

Outro mito que durou muito o tempo era o fato de que a moto do filme era uma 750 pois é sabido que Tom Cruise não é assim um cara dotado de grande altura e seria osso para ele manobrar um moto muito grande e volumosa. Mas a moto era sim uma 900.

No filme Top Gun, a GPZ é o veículo do dia a dia do tenente Pete “Maverick” Mitchell (interpretado por Tom Cruise). Tirando uma cena ou outra de ação, como a cena em que a moto acompanha a decolagem de um caça, a moto aparece de fato muito mais nos perrengues em que o personagem principal tem com sua namoradinha (a belíssima Kelly McGillis) entre tapas e beijos.

Kelly McGillis: avião sem asas do filme. Fazia a GPZ correr pra lá e para cá acelerando forte.
F-14 e GPZ900R disputando um racha.

 

Tom Cruise só não era multado por que era militar. Olha o pisca quebrado ali na esquerda.
Amor a primeira vista no filme.
O ápice de um relacionamento: levar o par romântico na garupa.

A motocicleta ficou tão famosa que é figura fácil encontrar um monte de malucos mundo afora que constroem réplicas da moto do filme.

Apesar do filme ser um filme de ação bem previsível, com direito a romance água com açúcar ao som de Take My Breath Away do Berlin, bem americanóide e típico dos anos 80, foi um sucesso e com certeza fez muita gente querer virar piloto e/ou motociclista. Confesso que fui um dos fisgados. Tentei ser piloto mas fui demovido da ideia (hoje agradeço por não ter acontecido) mas acabei me tornando um motociclista, o que foi uma das melhores coisas que já me aconteceu. Só me falta uma jaqueta igual ao do Tom Cruise no filme.

Maquiagem nas motos nos bastidores.
A locação da famosa cena onde os pombinhos quebram o pau pela primeira vez mas, como no cinema tudo dá certo, tudo acaba num beijaço
Tom Cruise fazendo pose em cima da estrela de duas rodas.
Sim, a moto foi arranhada de propósito para parecer “usada”. Repare na lateral.

Além disso, eu aposto que Take My Breath Away embalou muitos casaizinhos (nem que fosse com a vassoura) apaixonados pelos bailinhos de garagem nos anos 80 e não duvido que tenha levado a muitos casamentos! Agradeça ao Tom Cruise!

Os últimos modelos da GPZ, ano 2003

A GPZ900, em função de todo o burburinho e por seus próprios méritos, acabou se transformando em uma clássica moderna e, ainda hoje, roda por ai em versões lindas, ou restauradas ou completamente modernizadas ainda tirando o fôlego de muita gente (olha o Berlin aí de novo!)

Em 2014, em comemoração aos 30 anos da primeira Ninja, a Kawasaki lançou um edição limitada da ZX-14R utilizando os grafismos originais que lembram a original de 1984.

ZX14 imitando a Ninja de 1984

30 anos de direfença

Para matar a saudade da época, da moto, do filme e tudo o mais, um compilado com todas as cenas onde a GPZ aparece. Ao som de Take Away My Breath, claro: