Coronavírus, motociclistas e motociclismo – dicas e cuidados

COMPARTILHE

O país começa a se mobilizar efetivamente frente a pandemia Covid-19 que já castiga de forma cruel países do oriente e da Europa. Governos, empresas e instituições tentam minimizar ao máximo as consequências e, pensando nisso, conversamos com alguns médicos para saber como podemos fazer nossa parte, principalmente em relação à nossa paixão: andar de moto.

Um meme tem circulado no meio das duas rodas afirmando que andar de moto, além de manter a cabeça em ordem diante de tantas notícias preocupantes, também é uma atividade praticamente livre de riscos. Afinal, sair por aí com sua moto é essencialmente uma atividade solitária ao ar livre e, portanto, teoricamente, livre de riscos. Sim, faz todo sentido. Mas vale lembrar que o diabo mora nos detalhes e é justamente com eles que temos de nos preocupar, mesmo andando de moto.

O grande problema é a velocidade de contágio. Muita gente tem minimizado e relativizado a gravidade da infecção. Mas vamos tentar explicar de forma simples por que é importante todos fazerem preventivamente sua parte. A taxa de mortalidade é baixa de fato. Mas o contágio é o grande problema. Se muitas pessoas adoecem ao mesmo tempo, o sistema de saúde não tem condições, pessoal e principalmente equipamentos para atender uma grande demanda. O sistema de saúde tem um limite. E o tratamento dos pacientes graves exige equipamento especializado que nenhum hospital do mundo tem aos baldes como, por exemplo, respiradores, que são praticamente mandatórios para os pacientes em estado grave já que a doença ataca o pulmão. Pra piorar, o tempo de entubamento também é muito longo, precarizando ainda mais a situação. Ou seja, não se cuidar vai fazer com que a propagação da doença seja mais veloz e acabe atingindo os mais vulneráveis a ela, como as pessoas acima de 60 anos, pessoas com doenças crônicas preexistentes, fumantes e pessoas já debilitadas por algum tipo de tratamento. E isso pode culminar em um cenário desolador como o que acontece hoje na Itália. O grande número de pacientes sobrecarregou o sistema de saúde a tal ponto que agora pacientes com mais de 80 anos não estão recebendo tratamento e estão sendo deixados para morrer. Por que razão? Por que não há equipamento e leitos suficientes para todos. Os médicos estão, literalmente, tendo de escolher quem vive e quem morre.

Portanto, é preciso se antecipar e adotar o isolamento social e evitar ao máximo o contato com outras pessoas justamente para frear o contágio de alguma forma.

Veja abaixo um pequeno guia de cuidados para quem usa a motocicleta como meio de lazer, trabalho ou transporte.

As recomendações básicas, que servem para todos, continuam sendo:

  • Lave as mãos com água e sabão sempre e jamais toque seu rosto com as mãos não higienizadas
  • Utilize, sempre que puder, álcool gel para higienizar as mãos. Se conseguir, leve um sempre com você
  • Com água e sabão ou álcool gel não economize. Esfregue suficientemente as mãos: as palmas, os dedos, costas das mãos, entre os dedos, nas pontas dos dedos e inclusive os pulsos. Dica: imagine que você acabou de cortar e manipular pimenta daquela bem ardida e que, na sequência, vai pegar lentes de contato e colocar elas. É isso. Lave as mãos mesmo.
  • Evite contato social o máximo que puder. Beijos e abraços ficam pra quando as coisas melhorarem.
  • Fique em casa o quanto puder. Saia somente para algo muito necessário.

Saiba como lavar as mãos da forma correta e eficiente.

Veja as orientações do Ministério da Saúde.

Veja as orientações da Organização Mundial de Saúde (em inglês).

As recomendações para os motociclistas

Encontros, passeios em grupo e festas: Evite completamente.
A gente sabe que os motociclistas adoram encontros, passeios e festas. Mas a hora é de evitá-los e cancelá-los. Aglomeração de pessoas no momento não é recomendável de nenhuma forma. Não importa se é em ambiente aberto, fechado, pequeno ou amplo. Muita gente junta agora não é uma boa ideia.

A moto: mantenha ela sempre limpa e higienizada.
Manoplas e manetes, que é onde fazemos a maior parte do contato com a moto, devem ser limpas com água e sabão antes e depois de utilizar a moto.
Uma moto parada na rua ou em um bolsão de motos fica suscetível ao toque de qualquer outra pessoa pois não é o volante de um automóvel que fica inacessível em uma ambiente fechado. E já é sabido que o vírus pode sobreviver por mais de 24hs em superfícies plásticas ou metálicas. Isso quer dizer que também é altamente recomendável você manipular sua moto sempre de luvas.

Capacete e luvas: Limpe sempre
Como o capacete é algo que fica muito próximo ao seu rosto, deve ser limpo constantemente com água e sabão, antes e depois de usar.
Jamais deixe ele na rua ou na moto pois corre o risco de ser tocado por alguém. Leve ele sempre com você.
Jamais empreste. Ele é só seu e de uso individual.
Com as luvas, a mesma coisa, limpe antes e depois de usar com água e sabão e jamais empreste para alguém. Lembre-se que, se você não higienizar manoplas e manetes, ao encostar as luvas, elas correm o risco de ficarem contaminadas se as superfícies tiverem sofrido contaminação.

Test Rides: cuidado redobrado
Muitas concessionárias fazem test rides com seus modelos de motocicletas. Isso quer dizer que as motos disponíveis para o test ride passam, literalmente, de mão em mão. As concessionárias podem até adotar medidas de higienização das motos mas, como não sabemos se de fato o fazem, faça você mesmo para garantir. Peça licença e pergunte educadamente se pode limpar os manetes e as manoplas antes de andar na moto. Não custa nada e não ofende ninguém. E pode evitar contaminação.
Usar capacete ou luvas cedidos pela concessionária nem pensar. Leve o seu.
A dica também vale para motos em exposição nas concessionárias. Lembre da sua mãe: olhe com os olhos, não com as mãos.

Garupa: fica a pé.
Pois é. Aquela caroninha pra quem quer que seja vai ter de ficar anotada no caderninho de dívidas. Como a orientação é ficar distante de outras pessoas é uma péssima ideia ter alguém colado nas suas costas. No dia 16 de março, nas Filipinas, onde o transporte com motocicleta é muito popular, o governo proibiu carregar garupa assim como proibiu o transporte público utilizando motocicletas (moto táxi).

Moto táxi: não utilize.
A gente sabe que a atividade é o sustento de muita gente. E essa dica acaba sendo cruel. Mas a hora é hora de pensar no coletivo. Muita, mas muita gente vai sofrer com as consequências econômicas, não só os moto taxistas. Uma sugestão é que os profissionais migrem temporariamente para a atividade de entrega já que não envolve carregar pessoas.
A questão da Moto Táxi é a mais complicada pois engloba duas coisas que tem alto risco de contaminação: garupa e, principalmente, o uso de um capacete comum. Por mais que em alguns lugares se utilize uma touca descartável entre o capacete e a cabeça do passageiro, o contato, e consequentemente um possível contágio, é muito próximo e de alto risco.
Se utilizar a moto táxi é vital pra você no dia a dia, tente ao menos fazer estas três coisas:
– Compre um capacete bom e barato (sim, eles existem) e leve-o com você. Se não for possível comprar, tente arrumar um emprestado e lave e higienize muito bem antes e depois de usar.
– Combine todo o trajeto com antecedência, ANTES de subir na moto, e deixe muito claro onde vai e por onde quer ir, se for o caso. Isso evita que você fique falando, e inevitavelmente expelindo micro gotículas de saliva, muito próximas a pessoa que está pilotando a motocicleta.
– Leve seu álcool gel com você, se puder, e sempre limpe muito bem a alça do garupa onde você vai se segurar durante o trajeto.
Na região nordeste do país, onde o serviço de moto táxi é muito popular, algumas localidades estão tomando medidas drásticas (e perigosas) que vão diretamente contra o código de trânsito brasileiro, criando uma situação delicada: desobrigar o uso do capacete para o passageiro.

A dica mais importante de todas: deixe a moto na garagem por enquanto.
A única medida eficiente para frear a contaminação é não sair de casa. O fato do vírus sobreviver por muito tempo em superfícies é o x da questão. Por mais que você pratique a higiene pessoal e de todos os objetos que usa, o mundo a sua volta pode estar contaminado e qualquer pequeno descuido pode colocar você em contato com o vírus.
Se for muito necessário sair, mas muito mesmo, com sua moto, fique atento:
– Redobre a atenção
– Certifique-se que a motocicleta está com a manutenção em dia e em perfeitas condições
– Use equipamento de segurança
– Ande devagar e com cuidado
– Não pilote se for inexperiente ou estiver desacostumado
Qual a razão? Simples. Traumas de acidentes de motocicleta, geralmente, são mais graves e exigem tratamento, muitas vezes, demorado. E o que isso significa? Significa que se você vacilar vai parar em um leito de hospital e tudo o que não precisamos agora são leitos de hospital ocupados.

Obviamente não é preciso ficar paranoico. Um passeio onde você sai da sua garagem e fica rodando sem entrar em contato com ninguém e volta direto pra dentro da sua garagem outra vez vai te fazer bem pra colocar as ideias em dia e, se seguir as dicas, você diminui muito, mas muito, o risco de levar o vírus pra dentro da sua casa e consequentemente a chance de colocar em risco a saúde de seus amigos e familiares. Mas vale lembrar que não elimina completamente a possibilidade de ser contaminado. Portanto, toda vez que for sair de moto, faça-o somente se for muito necessário e lembre daqueles que você ama e se cuide.

Abaixo, um dos materiais mais didáticos e completos sobre como evitar a rápida propagação (lançado no dia 19 de março). Assista e repasse a seus amigos e família. (legendas em português estão disponíveis)

COMPARTILHE