Moto do filme: as estrelas e coadjuvantes de duas rodas no cinema

COMPARTILHE

Em geral, por ser algo muito mais universal, os automóveis tem uma vocação natural para se transformarem em ícones da cultura pop por intermédio do cinema e de séries de televisão. Muitos deles acabaram tornando-se um personagem chave na trama. Coloque nessa conta, por exemplo, a icônica máquina do tempo interpretada pelo DMC Delorean do Dr Emmett Brown em De Volta Para o Futuro, o carro falante Pontiac Firebird Trans Am modificado para estrelar a série Super Máquina ou então o simpático e inesquecível Herbie, o fusca com vontade própria da série Se Meu Fusca Falasse da Disney.

Já com as duas rodas, as coisas ficam um pouco mais difíceis. Provavelmente por duas razões: nem todo mundo gosta de motocicletas e, provavelmente, o apelo delas para o público em geral acabaria sendo menor. E convenhamos que nenhum estúdio em suas plenas faculdades mentais gostaria de deixar de lucrar apostando em algo digamos assim, de nicho. Um dos poucos casos, na televisão, em que uma motocicleta era de fato o personagem principal da trama e estrela do show era no seriado Moto Laser, uma espécie de Super Máquina dos motociclistas. Fizemos uma longa matéria sobre ela aqui se você quiser dar uma olhadinha.

Em alguns filmes as motos desempenham um papel super importante como, por exemplo Diários de Motocicleta e The World’s Fastest Indian contando a história do piloto Burt Munro. Mas estes casos merecem uma lista a parte.

De qualquer forma, muitas outras motocicletas foram parar no cinema também. Mas, na maioria dos casos, na pele de coadjuvantes, objetos de desejo ou gadgets dos protagonistas ou com o objetivo de incrementar a história com um pouquinho de ação e emoção, coisa que as motocicletas fazem muito bem. Puxe da memória e vai perceber que é um pouco mais difícil lembrar de alguma cena icônica envolvendo motos. É muito mais fácil lembrar de cenas marcantes com quatro rodas, como a fuga com Mini-Coopers do filme Italian Job de 1969, entre tantas outras.

Vale lembrar que, para as fabricantes, ter uma motocicleta sua figurando em algum filme arrasa quarteirão é um negocião. Muitos estúdios e montadoras mantém contratos e acordos nesse sentido. Nem sempre funciona muito bem. Volta e meia, a fabricante quer promover um modelo específico que acabou de sair e, as vezes, a moto não tem nem um pouco a cara do personagem, da trama e de todo o resto o que causa uma certa estranheza. Mas… quem manda é o dinheiro envolvido no trato.

Mas nossas queridas motocicletas estão lá, fazendo seu trabalho sem pensar muito em indicações ao Oscar, fama e fortuna. E, por conta disso, preparamos uma listinha com essas pontinhas, ou mesmo papéis mais relevantes sem ser necessariamente o papel principal, tratando-as como se fossem atores contratados. Ou seja, na lista não entram motos fictícias concebidas ou modificadas especificamente para um papel como as motos do Batman, por exemplo, ou do Akira, ou mesmo a icônica chopper do filme Easy Rider que é uma Harley Hidra Glide 1959 extremamente modificada para o “papel”.

Vamos considerar elas na telinha (ou telão) como vieram ao mundo, abrindo exceção para uma ou outra modificação menor como se apenas tivessem caracterizado o personagem com um penteado ou leve maquiagem diferente.


Kawasaki GPZ 900 R do filme Top Gun

A original
A moto do filme

Motor: 4 tempos, 4 cilindros em linha, refrigerado a água, DOHC, 4 válvulas por cilindro, 6 marchas
Capacidade: 908cc, compressão de 11.0:1, 108 cavalos, máxima de 250 Km/h
Filme: Top Gun
Ano do filme: 1986

A primeira Ninja que se tem notícia é provavelmente uma das mais famosas das telas. Era o veículo do dia a dia do tenente Pete “Maverick” Mitchell interpretado por Tom Cruise. Você pode ler a história completa da motoca aqui.

As cenas:


Yamaha XT 250 do filme Rambo: First Blood

Motor: 4 tempos, 1 cilindro, refrigerado a ar, SOHC, 2 válvulas, 5 marchas
Capacidade: 249cc, compressão de 9.2:1, 22 cavalos, máxima de 128 Km/h
Filme: Rambo First Blood
Ano do filme: 1982

Quando o veterano de guerra John Rambo é tratado com desdém pela polícia local de uma pequena cidade, fica com sangue no zóio e, como parte de sua fuga espetacular, rouba de um pobre transeunte uma Yamaha XT 250 e sai apavorando pela cidade em uma cena clássica. O curioso é que, pra efeito dramático provavelmente, a moto ganha o ronco de uma dois tempos apesar de ser uma quatro tempos.

A cena:


Triumph Speed Triple do filme Missão Impossível 2

Motor: 4 tempos, 3 cilindros em linha, refrigerado a água, DOHC, 4 válvulas, 6 marchas
Capacidade: 885cc, compressão de 10.0:1, 108 cavalos, máxima de 218 Km/h
Filme: Missão Impossível 2
Ano do filme: 2000

O agente secreto Ethan Hunt, interpretado por Tom Cruise, se envolve em uma batalha em duas rodas meio esquisita com o grande vilão do filme em uma cena que culmina com o choque de duas motos no ar… Dá pra perceber várias gafes. Entre elas, o erro de continuidade dos pneus. Motos no asfalto tem pneus lisos. Já motos na terra e na areia, as mesmas, tem pneus com cravos. Poderiam ter usado uma computação gráfica ali pra não ficar tão evidente que os pneus (ou mesmo as motos) eram trocados de acordo com o terreno de cada cena. Além disso, em algum momento, a moto do vilão tem a bolha da sua Triumph Daytona 955i quebrada e dá pra ver nitidamente que alguém serrou meticulosamente pra parecer quebrada ficando com um aspecto super artificial. O característico som dos três cilindros também foi substituído pelo som de um quatro caneco genérico.

A cena:


Ducati 996 do filme Matrix Reloaded

Motor: 4 tempos, 2 cilindros em V 90 graus, refrigerado a água, DOHC, comando desmodrômico, 6 marchas
Capacidade: 998cc, compressão de 12.3:1, 123 cavalos, máxima de 265 Km/h
Filme: Matrix Reloaded
Ano do filme: 2003

No segundo filme da franquia de sucesso dos Wachowskis, a atriz Carrie-Anne Moss, na pele da personagem Trinity, carrega um simpático senhor japonês, o “chaveiro” da trama, na garupa de uma legítima esportiva da Ducati, devidamente escolhida em cima de uma carreta cheia de Ducatis (isso é que e merchan!), em uma perseguição muito louca. Vale lembrar que o flerte da personagem com as motos vem de longe. No primeiro filme ela pilota brevemente uma Triumph Speed Triple que mal aparece no filme. E no novo filme, prometido para breve, ela tem aparecido em cenas de bastidores em uma Ducati Scrambler (Um bom exemplo de uma moto muito mal posicionada no contexto. mas provavelmente é por conta da relação do estúdio com a Ducati).
Na verdade, na ocasião, a Ducati já tinha o modelo sucessor, a Ducati 998S, e acabou fabricando umas 150 unidades na cor verde escuro em uma ação casada justamente para o filme. Versão que ficou conhecida como a 998 edição Matrix. Dizem que virou raridade.

A cena:


Kawasaki KZ 1000 do filme Mad Max

A moto do filme
A original

Motor: 4 tempos, 4 cilindros em linha, refrigerado a ar, DOHC, 2 válvulas por cilindro, 5 marchas
Capacidade: 1015cc, compressão de 8.7:1, 83 cavalos, máxima de 200 Km/h
Filme: Mad Max
Ano do filme: 1979

O personagem Goose, colega de Mel Gibson no papel principal, fazia parte de uma polícia tresloucada em um futuro distópico assombrado por gangues e violência extrema. A Kawasaki KZ 1000 que pilotava foi razoavelmente modificada pra uma versão policial e protagonizou várias cenas tensas no filme. Na verdade as gangues também utilizavam Kawasakis. O filme era praticamente uma concessionária da marca mas não havia um acordo oficial. Tanto o é que a moto de Goose estampava uma marca “Kwaka”, referindo-se vagamente à fabricante.

Uma das cenas:


Triumph TR6 Trophy do filme Fugindo do Inferno

Motor: 4 tempos, 2 cilindros paralelos, refrigerado a ar, DOHC, 2 válvulas por cilindro, 4 marchas
Capacidade: 649cc, compressão de 8.5:1, 42 cavalos, máxima desconhecida.
Filme: Fugindo do Inferno
Ano do filme: 1963

Steve McQueen é um dos soldados aliados dispostos a escapar a qualquer custo de um campo de prisioneiros durante a segunda guerra mundial. Em uma cena clássica, utiliza uma Triumph TR6 para uma tentativa. Na verdade a produção queria BMWs de época, o que faz todo sentido num campo alemão de prisioneiros. Mas elas não aguentariam o tranco. Então deram um tapa na Triumph colocando um banco monoposto e um rack de bagagem pra fazer as vezes de uma suposta BMW.

Veja a cena:


Kawasaki ZZR 250 do filme Kill Bill Volume 1

A original

Motor: 4 tempos, 2 cilindros paralelos, refrigerado a água, DOHC, 4 válvulas por cilindro, 4 marchas
Capacidade: 248cc, compressão de 12.4:1, 45 cavalos, máxima 152 Km/h.
Filme: Kill Bill Volume 1
Ano do filme: 2003

A protagonista interpretada por Uma Thurman dá suas voltas em uma Kawasaki ZZR 250 dos anos 90, amarela, combinando com a cor de seu icônico macacão. A ZZR 250 é na verdade uma velha conhecida nossa, uma Ninjinha 250 das primeiras gerações (leia mais sobre a Ninjinha aqui). Para o alívio de todos, a música alta e a sonoplastia eliminaram o ronco horroroso e pouco empolgante da pequena 250.

A cena:


Harley Fat Boy do filme Exterminador do Futuro 2

Motor: 4 tempos, 2 cilindros V 45, refrigerado a ar, OHV, 2 válvulas por cilindro, 5 marchas
Capacidade: 1337cc, compressão de 8.5:1, 67 cavalos, velocidade máxima não declarada.
Filme: O Exterminador do Futuro 2
Ano do filme: 1991

Um sucesso de bilheteria imenso em uma sequência de tirar o fôlego com direito a trilha sonora do Guns and Roses (super em alta na época). E assim Arnold Schwarzenegger catapultou as vendas da grandona da Harley Davidson pilotando sua Fat Boy para salvar o jovem que seria a esperança no futuro da luta contra as máquinas. O negócio era tão sério que a moto aparecia até no poster do filme, para o delírio dos harleiros. Obviamente várias motos foram utilizadas na filmagem mas uma delas foi a leilão em 2018 e arrecadou mais de meio milhão de dólares. Outra foi restaurada em 2014 e está em exibição no museu da marca em Milwaukee.

As cenas:


Triumph Thunderbird 6T do filme O Selvagem

Motor: 4 tempos, 2 cilindros paralelos, refrigerado a ar, OHV, 2 válvulas por cilindro, 4 marchas
Capacidade: 649cc, compressão de 7.0:1, 34 cavalos, velocidade de 148 Km/h.
Filme: O Selvagem
Ano do filme: 1953

Um clássico dos anos 50 com um jovem Marlon Brando em plena forma na papel de um líder de uma gangue de motociclistas que só apronta altas confusões, tipo sessão da tarde. Na época do filme a Triumph queria o pescoço da produção pois era um pesadelo ter sua imagem associada a motociclistas arruaceiros e foras da lei.

No tanque a motoca ostentava um “W” (de “The Wild One”, o título do filme em inglês) no lugar da marca Triumph.

Como o filme ao longo do tempo tornou-se um clássico, a marca tratou rapidinho de mudar o discurso e passou a afirmar que a película ajudou a consolidar a lenda e história da Triumph… nada como um dia depois do outro.

Algumas cenas:


Honda CB 350 Super Sport do filme Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres

A moto do filme
A original

Motor: 4 tempos, 2 cilindros paralelos, refrigerado a ar, SOHC, 2 válvulas por cilindro, 5 marchas
Capacidade: 325cc, compressão de 9.5:1, 36 cavalos, velocidade máxima não declarada.
Filme: Millennium: Os Homens que Não Amavam as Mulheres
Ano do filme: 2011

Na refilmagem americana do original sueco, a personagem interpretada por Rooney Mara vive pra lá e para cá em cima de uma Honda CB 350 muito bacana convertida para cafe racer. No filme a moto tem tudo a ver com a personalidade da personagem. Foram construídas três motos para o filme pela oficina Glory Motor Works, que é especializada e notória por seus trabalhos para cinema e televisão quando o assunto é motocicleta.

Uma das cenas:


Ducati Sport Classic 1000 do filme Tron Legacy

Motor: 4 tempos, 2 cilindros em V 90, refrigerado a ar, SOHC, comando desmodrômico com 2 válvulas por cilindro, 6 marchas
Capacidade: 992cc, compressão de 10.0:1, 90 cavalos, velocidade máxima não declarada.
Filme: Tron Legacy
Ano do filme: 2010

Na tentativa de reviver o sucesso dos anos 80, o personagem interpretado por Garrett Hedlund arrasa logo no início do filme pilotando uma das mais lindas motocicletas da Ducati, a descontinuada Ducati Sport Classic 1000. A única modificação foi a retirada de uma desengonçada lanterna traseira retrô e a substituição por uma lanterna com piscas integrados em uma fita de led, o que tem tudo a ver com a estética e tema do filme. Apesar da breve e única cena, ela serve pra pra deixar claro que o moleque é um piloto experiente já que, mais a frente na trama, terá de enfrentar o clássico desafio das light cycles (motocicletas digitais) icônicas do filme original.

A cena:


Harley-Davidson XLCR do filme Chuva Negra

Motor: 4 tempos, 2 cilindros em V 45, refrigerado a ar, OHV, 2 válvulas por cilindro, 4 marchas
Capacidade: 997cc, compressão de 9.0:1, 68 cavalos, velocidade máxima de 185 Km/h
Filme: Chuva Negra
Ano do filme: 1989

Michael Douglas interpreta um policial enrolado em um baita thriller policial dirigido por Ridley Scott. Na trama, seu veículo do dia a dia, com o qual inclusive aposta corridas ilegais pra levantar uma graninha, é o patinho feio e renegado da Harley, um projeto que era pra ser uma espécie de cafe racer de fábrica antes da febre das cafes: a XLCR. Você pode saber mais sobre a moto e sua história em nossa matéria completinha aqui.

Uma das cenas:


MV Agusta F4 750 SPR do filme Eu Robô

Motor: 4 tempos, 4 cilindros em linha, refrigerado a água, DOHC, 4 válvulas por cilindro, 4 marchas
Capacidade: 749cc, compressão de 12.0:1, 126 cavalos, velocidade máxima de 257 Km/h
Filme: Eu Robô
Ano do filme: 2004

Will Smith se vê as voltas com robôs ensandecidos em uma adaptação muito, mas muito livre do famoso livro de contos de mesmo nome do consagrado autor Isac Asimov. O personagem encarna o típico saudosista que acha que tudo do passado é mais bacana e que bom mesmo era antigamente. Prova disso é que guarda na garagem de um futuro distante uma MV Agusta F4 que ele usa pra deitar o cabelo quando o bicho tá pegando no filme. A moto acabou ficando tímida justamente por conta de um veículo de 4 rodas roubar a maior parte da atenção e da cena, um Audi conceito super futurista que desfilou por muito mais tempo na tela.

A cena:


Ducati Monster do filme O Corvo: Cidade dos Anjos

Se o nome é Corvo a moto tem de ser preta, claro

Motor: 4 tempos, 2 cilindros em V 90, refrigerado a ar, SOHC, comando desmodrômico de 2 válvulas por cilindro, 5 marchas
Capacidade: 583cc, compressão de 10.7:1, 53 cavalos, velocidade máxima de 190 Km/h
Filme: O Corvo – Cidade dos Anjos
Ano do filme: 1996

A “sequência” do filme de 1994 não foi lá muito bem na opinião de crítica e público. De fato o primeiro filme, estrelado por Brandon Lee (que tragicamente morreu nas filmagens) era bem mais bacana. Na nova trama o espírito do corvo baixa em outro sujeito pra uma nova cruzada de justiça e vingança. Dessa vez o quase anti-herói vence as distâncias maiores em uma das primeiras, e lindas, Ducati Monster de 600cc.

Algumas cenas:

Agora que você conheceu algumas celebridades das duas rodas, conta pra gente se você lembra de alguma em algum filme e quem sabe a gente não faz uma segunda lista!

COMPARTILHE