Moto Customizada do Ano – Etapa Scrambler e Brat

COMPARTILHE

No dia 29 de agosto de 2018 o grupo Cafe Racer Brasil, Motocultura, Bratstyle Brasil Garagem Cafe Racer reuniram mais 6 motocicletas customizadas, desta vez nos estilos scrambler e brat para concorrerem ao título de moto customizada do ano. A iniciativa surgiu em 2017 (você pode conferir como foi a edição 2017 aqui) tendo como principal objetivo reconhecer e incentivar os novos talentos do meio ou mesmo aqueles que modificam suas motos como um hobby e sem pretensões profissionais.

O evento aconteceu no Rockers Self Garage em São Paulo, espaço super legal criado com a ideia de incentivar os proprietários de motocicletas a fazerem eles mesmo reparos e modificações nas motos com orientação e estrutura profissional.

Em 2018 o formato do concurso mudou. Dessa vez, cada etapa é dedicada a um estilo específico em etapa única. A primeira delas escolheu a cafe racer do ano (você pode conferir aqui).

As concorrentes e a grande vencedora

6 motos foram selecionadas para passarem pelo voto dos jurados e do público. Conheça as concorrentes:

Sundown 200

Primeiro lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 8,0

Um projeto surpreendente com uma base pouco comum. A moto chamou muita, mas muita atenção dos jurados e do público. Atenção com detalhes como o suporte para skate e capa do farol foram importantes, assim como o cuidado com o acebamento. A moto foi construída pela Oficina Família Maijel – OFM de São José dos Campos.

Honda Twister 250

Segundo lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 7,1

 

 

Um novo ar para a velha Twister em um misto de brat (pelo banco reto) e scrambler (pelos pneus off) em um projeto sóbrio e bem acabado. A motocicleta é projeto da Studio 58 Cycles, que também faz um trabalho incrível com motinhos de baixa cilindrada como as Honda Dream. Vale a pena conferir o trabalho da oficina. O surpreendente é que a segunda e terceira posições foram disputadíssimas com uma diferença mínima de nota.

Honda CB400

Terceiro lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 7,0

O que mais se vê por aí são as guerreiras CB400 e 450 transformadas em cafe racer. A oficina Storm Motorcycles pegou outro caminho e construiu uma scrambler bem bacana. O causo da vez é que, rodando, a caminho do evento, a moto perdeu o parafuso de ar do carburador. Parecia tudo perdido até que o construtor Nilton Andrade se deu conta que o parafuso, por sorte, não havia ido para o chão mas estava em cima do bloco inferior do motor. Foi só recolocar, respirar aliviado e seguir em frente.

Hunter 100

Quarto lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 6,9

Outro projeto fantástico utilizando novamente uma base pouco usual. A pequena também chamou muita atenção no evento. Na humilde opinião deste escriba, a motoquinha merecia figurar nos primeiros lugares. Mas, como vimos, as notas de segundo, terceiro e quarto lugares ficaram praticamente coladas umas nas outras.

Yamaha XT600

Quinto lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 6,5

Um projeto interessante numa pegada bem old school construído pela Pavani Motorcycles, oficina que a cada dia tem mostrado um trabalho bem legal. Inclusive, a moto é a moto de uso do dia a dia do proprietário.

Honda NX350

Sexto lugar voto do júri
Nota final dos jurados: 6,4

Um projeto numa pegada meio pós apocalíptica bem legal. Detalhe interessante para a ausência de pintura e os baús militares nas laterais. A velha Sahara ganhou outra cara.

Os jurados e a votação

4 pessoas foram convidadas a atribuírem notas de 0 a 10 em cinco quesitos para cada motocicleta concorrente. As motos foram avaliadas em harmonia do conjunto, originalidade,  acabamento,  desafio técnico e criatividade. A matemática fez o restante do trabalho para definir a colocação de cada uma. Conheça os jurados:

Wallasc Santos -mecânico e customizador multimarcas proprietário da W.S. Garage.

Sebastián Rochón – mecânico e customizador experiente, proprietário da SR-Corse, especializada em Ducatis e motos italianas. Você pode saber mais sobre a SR e Sebastian em nossa entrevista com o profissional.

João Tadeu – Motociclista experiente, entusiasta dos scooters, formador de opinião e jornalista e editor do jornal Motonauta.

Wel Calandria – Fotógrafo profissional, motociclista experiente e criador do Classic Riders Brasil. Wel foi o jurado surpresa da edição.

O encontro e a decisão

A festa de premiação aconteceu no Rockers Self Garage. Como sempre, mais do que uma competição, o encontro foi uma grande confraternização entre os concorrentes que puderam trocar conhecimento e fazerem novas amizades num clima muito legal. O que deixou os organizadores mais felizes foi o fato de que todas as motos concorrentes eram de oficinas pequenas e entusiastas da customização que trabalham sozinhos reforçando um dos objetivos de Motocultura que é mostrar e promover novos talentos, novas pessoas e novas ideias.

O primeiro lugar levou para casa um capacete maneiro da Lucca Customs que gentilmente se dispôs a dar o presente para o ganhador. Além disso, as três primeiras colocadas serão objeto de uma matéria, vídeo e ensaio fotográfico contando no detalhe a história das motos e de seus construtores que, em breve, você poderá conferir aqui no site de Motocultura. Por enquanto, você pode dar uma olhada na matéria da belíssima CBX750F vencedora da etapa cafe racer.

Por conta de outros eventos e compromissos, Motocultura ainda está planejando etapas de outros estilos que também em breve divulgaremos por aqui.

Um enorme muito obrigado a todos os participantes e a todos que compareceram.

Assista ao vídeo da etapa!